domingo, 30 de março de 2008

"A mulher não existe"

Eu nunca conheci a Mulher. Eu já amei e odiei "mulheres". Então por que esse título genérico? Os homens são mais classificáveis do que as mulheres. Não haverá nessa generalização um desejo de faze-las compreensiveis, por medo de sua diversidade? Não existe a Mulher. Existem a mulher de burca, a strip-teaser, amulher sem clitóris, a prostituta, existem a freira, a mãe de familia, existem a perua, a piranha, a modelo, a bondosa, a malvada, existem Eva e Virgem Maria, existem a rica, a pobre, a bela, a histérica, a obsessiva. A "Mulher" talvez tenha sido invenção dos machos.

O maior mistério do mundo é a diferença entre sexo. Há alguns exploradores: viados, sapatões, travestis, Abraão, Carlos Renato, que mergulham nesse mar e voltam de mãos vazias. Nunca saberemos quem é aquele ser com útero, seios, vaginas, clitóris, aquele ser material, bom, terrível quando contrariado no ponto G de sua alma; e elas também nunca saberão o que é um pënis pendurado, um bigodão, um jogo de Atlético e Cruzeiro no Mineirão lotado, um puteiro de beira de estrada, nunca saberão do desamparo do macho em sua frágil onipotëncia ou grossura. Elas jamais saberão como somos.

Lembrando-me de quem amei, vejo que elas queriam ser "descobertas" para elas se conhecerem. queriam ser decifradas por mim, pelos homens, por nossas mãos e bocas. Uma grande obediëncia a elas só as tornava mais raivosas. Muitas vezes cometi esse erro e dancei. Só perdi mulheres por "bondade" e "compreensão". FODAS.

Um comentário:

caiocito disse...

O que eu tenho a dizer é que... a razão pela qual eu... é... a razão pela qual a mulher é toda a razão pela qual etc e tal.